Ótica Perfil

Família apresenta adolescente suspeito de tentar matar professor dentro de escola

SÃO CRISTÓVÃO | 21.08.2014 às 05:34h

O adolescente de 17 anos apontado como autor da tentativa de homicídio contra o professor de Biologia, Carlos Cristian de Almeida, no Colégio Olga Barreto, no conjunto Eduardo Gomes, em São Cristóvão, foi apresentado pela família na manhã de quarta-feira, dia 20, no Departamento de Homicídio de Proteção a Pessoa (DHPP). O menor é estudante do 8.º ano da instituição e teria se revoltado com o professor por causa de uma prova.


De acordo com a delegada Thereza Simony, no dia 7 de agosto o aluno foi submetido a um teste feito pelo professor a partir de uma revisão dada em sala de aula. Ocorre que o estudante achava que as questões que seriam abordadas na prova seriam idênticas a que ele estudou na revisão. "Como as questões da prova foram diferentes, o adolescente se sentiu prejudicado e não fez o teste.


Na segunda-feira, dia 11, ele voltou a procurar o professor e pediu nova oportunidade, que foi negada. Ele também foi à direção do colégio e foi informado que o professor tem autonomia para realização dos testes", explicou. No dia seguinte, ele foi novamente conversar com o professor e recebeu novamente a confirmação de que não seria possível mais uma chance. "Ocorre que neste dia ele foi ao colégio já para matar o professor, pois nem o material escolar ele levou. Na sala de professores ele sacou o revólver e desferiu cinco tiros contra Cristian e depois fugiu. A vítima ficou consciente e passou o nome do autor e o motivo do crime para os colegas e os socorristas".

 

 tentativa de homicídio


Em depoimento, o infrator disse que passou por um canal jogou a arma e depois encontrou um colega que lhe deu apoio para continuar foragido. O menor também informou que comprou a arma por R$ 500,00 na Feira das Trocas e que conseguiu o dinheiro trabalhando como servente de pedreiro na região de São Cristóvão.


Thereza ressaltou que a atitude de extrema violência do rapaz não condiz com o perfil de jovem trabalhador e estudioso traçado por colegas, parentes e até mesmo pela instituição de ensino onde estuda. "Levantamos a ficha do adolescente e descobrimos que ele não tem passagem pela polícia, tem poucos amigos, não tem envolvimento com drogas, tem bom relacionamento com colegas de classe e trabalha regularmente na construção civil. Para nós foi uma surpresa verificar essas informações", destacou.


Inquérito


O inquérito policial será concluído nos próximos 10 dias e será remetido ao juiz da Comarca de São Cristóvão, que autorizou a apreensão provisória do menor pelos próximos 45 dias. Após prestar depoimento, acompanhado do advogado, o jovem foi encaminhado à Delegacia Especial de Proteção a Criança e Adolescente (Depca) e de lá será remetido a Unidade Socioeducativa de Internação Provisória (Usip).


Até o encerramento do inquérito, a delegada pretende ouvir o porteiro da escola, professores, alunos e o próprio professor Cristian caso sua saúde permita. O professor continua internado na Unidade Tratamento Intensivo (UTI) do Hospital de Urgência de Sergipe.


FONTE: Assessoria de Comunicação da Secretaria da Segurança Pública de Sergipe (SSP/SE)

Da redação:
comentários

WhatsApp: (79) 99977.1266
Email: gilsondeoliveira@gilsondeoliveira.com.br
Gilson de Oliveira - mais notícias
2007 - 2018 Gilson de Oliveira, mais notícia
Desenvolvido por Anderson Silva