Sábado, 03 de dezembro de 2016
Itabaiana-SE, Mín: 22ºC | Máx: 29ºC

PM flagra extração ilegal de areia em Malhador

CRIME AMBIENTAL | 03.02.2013 às 17:48h
FONTE: Ascom da PM/SE

 

A Polícia Militar de Sergipe, através do Pelotão de Polícia Ambiental (PPAmb), flagrou extração ilegal de areia feita nas imediações do Rio Jacarecica, próximo ao município de Malhador, distante 49 quilômetros da capital sergipana.
De acordo com os policiais militares, trata-se de uma das maiores extrações ilegais de areia já vistas no estado de Sergipe.

A ação ocorreu quando a guarnição composta pelo cabo França e soldados Sérvulo, M Silva e Ana Cristina, ao efetuar uma fiscalização de rotina pelas imediações do Rio Jacarecica, já próximo à cidade de Malhador, verificou a extração de areia feita tanto nos sopés dos morros, considerada uma Área de Preservação Permanente, quanto no leito do Rio Jacarecica. Por conta disso, o crime ambiental se reveste de maior gravidade, já que a mata ciliar que protege a margem do rio é retirada e a areia vai para a calha do rio, assoreando o seu leito.

A guarnição, ao flagrar o ocorrido, constatou que a situação era alarmante, por isso nem requisitou aos infratores a licença ambiental concedida pela Administração Estadual do Meio Ambiente (ADEMA) e a autorização do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), porque analisou que eles não a possuíam. Verificou-se também que, haja vista o número elevado de carroceiros, mulheres e crianças extraindo o produto de forma ilegal, tratava-se de um problema de cunho social.

Em conversa com alguns infratores, os militares apuraram que a areia daquela região é bastante valorizada pelas casas de material de construção de cidades do Agreste, principalmente de Itabaiana. Dentre as pessoas flagradas, os policiais arrolaram três cidadãos, que assinaram um Termo Circunstanciado de Ocorrência, e vão responder na Comarca de Malhador por crime ambiental previsto no Art. 55 da Lei 9.605/98. Os militares ainda emitiram um relatório que vai ser encaminhado ao IBAMA e à ADEMA, para que possam fazer uma visita ao local e avaliar a dimensão do dano ambiental.
Da redação:
Mais Notícias
Comentários
Gilson de Oliveira - mais notícias
2007 - 2016 Gilson de Oliveira, mais notícia
Desenvolvido por Anderson Silva