Ótica Perfil

Polícia Civil elucida crime contra empresário de Aracaju, mas juiz não acata pedido de prisão dos suspeitos

Investigação | 05.11.2016 às 11:01h

Na tarde do dia 04 de novembro, sexta-feira, a Polícia Civil elucidou o crime ocorrido no dia 25 de outubro, na Atalaia, ocasião em que o empresário IGOR DE FARO FRANCO, com 31 anos, foi morto em frente ao seu estabelecimento comercial, o Bar Salomé.

Igor estava em frente ao local quando foi abordado por dois indivíduos numa motocicleta, os quais
anunciaram o assalto e, sem lhe oferecer qualquer chance de defesa, mesmo com os braços ao alto, efetuaram um disparo que ceifou sua vida.

Equipes do Departamento de Repressão a Roubos e Furtos - DEROF e do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa - DHPP trabalharam em parceria com a DIPOL - Divisão de Inteligência Policial a fim de solucionar o caso. Foram traçadas linhas de investigação e todos as pessoas mais próximas à vítima em seu ambiente de trabalho foram ouvidas, o que tornou ainda mais forte a tese de latrocínio.

A partir daí, traçou-se o perfil e o modo de operar dos autores, sendo identificados outros casos de roubos semelhantes naquela área, em período próximo ao crime do qual Igor foi vítima. Investigados tais casos, chegou-se a um adolescente de 16 anos e ao VINÍCIUS DE SOUZA MACEDO, com 30 anos, como seus autores.

Identificados, percebeu-se que sem dúvidas são as mesmas pessoas que vitimaram o proprietário do Bar Salomé, sendo que o adolescente findou por confessar em detalhes, na presença de sua genitora a prática do crime. Segundo o mesmo, a intenção era praticar um roubo, mas a vítima teria negado entregar o aparelho celular, em função do que foi deflagrado o disparo que lhe atingiu.
A confissão espontânea foi devidamente filmada.

Imagens de câmeras de segurança de diversos estabelecimentos ao longo do bairro foram colhidas e corroboram o trajeto tomado pelos autores após o crime, rumo à residência do menor. Em sua casa foi localizada a camisa usada na infração.

Considerando a gravidade do caso, de repercussão nacional, vitimando um cidadão de bem, foram representadas na própria noite de sexta-feira, a prisão do adulto e a internação do adolescente junto ao Poder Judiciário, mas o Juiz Plantonista, PAULO HENRIQUE VAZ FIDALGO, entendeu por bem não apreciar os pedidos, por considerar que a causa não exigia a celeridade necessária para demandar o plantão judicial. Os marginais que mataram um inocente permanecem livres, por conta da decisão do ilustre magistrado.

A Polícia Civil, fiel ao seu compromisso com a sociedade, vai reiterar os pedidos de internação e prisão, com a certeza de que a Justiça Sergipana cumprirá sua missão, permitindo que marginais de alta periculosidade sejam afastados do convívio social.

 

Da redação: Por Alessandro Vieira, delegado-geral da Polícia Civil de Sergipe
Contatos: e-mail: gilsondeoliveira@gilsondeoliveira.com.br
WhatsApp: (079) 9-9660-2561

*Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

 

Mais Notícias
Comentários
Gilson de Oliveira - mais notícias
2007 - 2017 Gilson de Oliveira, mais notícia
Desenvolvido por Anderson Silva